Soneto pseudocamoniano da Liberdade


Liberdade é uma vontade que se exprime;
É alma que grita, quando a ferida dói;
É um sonho que acontece e se constrói;
É alegria que se espalha sem ser crime.

É um não ficar sem voz quando se fala;
É um rumar ao céu sem ver limites;
É nunca anular o ser perante elites;
É um pensamento que viaja sem escala;

É querer estar aceso quando é noite;
É servir aos seus desejos, o amador;
É ter resposta aberta, sem açoite.

Mas como pode ser livre quem tem amor
Nos corações soltar o peito afoito,
Se no respeito ao outro está o valor?



Professora Paula Santos